Press "Enter" to skip to content

8 erros que estão matando o marketing de conteúdo da sua startup SaaS

Mazzeu

Que o marketing de conteúdo é uma estratégia indispensável para startups todo mundo já sabe.

Mas o que ainda pode não estar claro é que alguns errinhos (que não têm nada a ver com não conhecer suas personas ou não criar um calendário editorial) estão impedindo a sua startup de ter resultados realmente relevantes.

É muito provável que você estudou bastante sobre marketing de conteúdo. Tem um blog ativo e publica conteúdos relacionados ao seu business para gerar leads, educar o mercado e posicionar a sua marca como especialista.

Essa parte não é menos importante — mas já é manjada. O segredo das estratégias de marketing de conteúdo de sucesso está além disso.

Listei 8 erros que estão matando o marketing de conteúdo da sua startup e que você precisa resolver pra ontem!

Vamos lá.

1. Publicar apenas conteúdo que você ama

Confesso que esse é um ponto que eu demorei para entender/aceitar.

Afinal, eu quero publicar conteúdos que eu realmente gosto e me relaciono com eles. Certo?

Errado.

Um dos grandes desafios do marketing de conteúdo é produzir conteúdo relevante para a persona da startup. Não necessariamente você é aquela persona. Então, conteúdo bom para você não é necessariamente conteúdo bom para ela.

Os materiais que você produz precisam ser otimizados para a sua audiência. Se você odeia listas mas seus leitores adoram, faça mais listas. Se você prefere conteúdos curtos mas seus leitores preferem conteúdos longos, faça posts gigantes.

Sua estratégia serve o seu negócio a partir do momento que conquista a sua audiência.

2. Não criar conteúdo que vende

Atualmente nós vivemos a Era do Conteúdo.

As ferramentas de marketing digital não importam tanto. O que importa é o conteúdo que você compartilha através delas.

Isso nos leva a uma frase que ouvi do Vitor Peçanha: “Conteúdo bom é conteúdo que vende”.

😉

Não significa que você vai colocar um banner mandando o leitor contratar a sua solução. Mas significa que qualquer material que você criar precisa ter um objetivo claro — e ele precisa estar alinhado com o seu objetivo de negócio.

Ebooks precisam gerar leads. Posts do topo do funil de vendas precisam converter visitantes em contatos. Estudos de caso precisam converter prospects em clientes.

Criar algo porque é “legal” ou “interessante” não vai te ajudar a escalar!

3. Usar conteúdo somente para SEO

O mito do SEO persiste. Muitos entendem, muitos não entendem. Ainda é comum encontrar empreendedores que acham que SEO é colocar uma palavra-chave quantas vezes der dentro de um texto.

Logo, muitos dos conteúdos criados por startups (que costuma girar em torno de um blog) é focado em SEO. Em palavras-chave. Em ranqueamento. No Google.

Sinto te informar, mas marketing de conteúdo vai muito além disso.

Voltando ao “conteúdo bom é conteúdo que vende”, SEO pode até fazer parte dos seus objetivos, mas duvido que ele será a única perna da sua estratégia. Outros canais e formatos são tão importantes quanto um blog post que aparece no primeiro lugar nos buscadores.

Medium, LinkedIn Pulse, Youtube, Instagram, Facebook Instant Articles. As opções são infinitas. Lembre-se: estamos entrando na Era do Conteúdo, e tudo é — ou pode se transformar em — conteúdo.

Esqueça posts feitos apenas para ranquear. Pense em relacionamentos, solução de problemasvendas e escalabilidade.

4. Publicar apenas blog posts

Por muitos anos marketing de conteúdo significou blog posts. De fato, eles são a principal ferramenta para atrair tráfego, gerar relacionamento, educar o mercado. Mas não são as únicas.

Ainda tratando de conteúdos escritos, outros formatos trabalham em harmonia com posts e são excelentes para uma estratégia de conteúdo completa. Para listar alguns, temos:

  • Ebooks;
  • White papers;
  • Pesquisas;
  • Estudos de caso.

Mas o grande ouro não está aí. O grande ouro está nos outros formatos.

“Quais outros?”, você me pergunta.

Vamos começar por vídeos! Sabe qual é o segundo maior buscador do mundo? O Youtube! O boom dos vídeos já é realidade e esse é um conteúdo de fácil consumo e escalabilidade.

Fonte: SillyDoh

Dois conteúdos lado a lado, um post e um vídeo, a 80km/h, quem chega primeiro?

Se você escolheu vídeo, acertou! Tente ler algo por 60 segundos ou assistir um vídeo com a mesma duração. Seu foco e sensação de “tempo” vão ser totalmente diferentes de um para o outro.

O mesmo vale para infográficos, fotos e videos do Instagram, quotes no Twitter, posts no Medium. Cada formato tem suas vantagens e desvantagens, e você precisa tirar o máximo de cada uma.

O que nos leva ao aspecto mais importante de tudo isso: reformate o seu post para diversas plataformas. Crie vídeos baseados em um blog post. Transforme uma lista em infográfico, em vídeo, em fotos para o Instagram ou citações para o Twitter.

Redesenhe um conteúdo de sucesso para atingir ainda mais usuários em diferentes plataformas. Ou até mesmo reformate um conteúdo que não funcionou para testar se o problema é o material ou a plataforma.

Pense em um tópico como um guarda-chuva: você pode criar outra dezena de bons conteúdos a partir de um material central e parar de se dar por satisfeito com um blog post.

5. Ter medinho de email marketing

Eu sei que você já passou por isso. “Não vou enviar muitos emails para não incomodar meus assinantes”. Sinto te informar, mas email é exatamente o que eles querem.

Ninguém assina uma lista de emails por dó ou brotheragem. Eu já recebo tantos emails por dia que não gostaria de receber mais um só para ser legal. Eu quero receber conteúdo bom, e se você não me enviar (ou demorar séculos para fazer isso) é bem provável que eu não vou interagir com você de novo.

Então, email neles!

You gotta do it! Fonte: Weblizar

Manda bala, sem medo. Compartilhe seus posts, crie uma newsletter, mande emails pedindo feedback. Crie algo novo. Se vire. Pare de ter medo de enviar emails e crie relacionamentos com seus assinantes.

Na mesma pegada, lista boa é uma lista viva. Se eu, no exemplo de antes, me descadastrei da sua lista, não faça uma tempestade em copo d’água. Eu não estou interessado no que você tem para falar, então só vou ocupar um lugar no seu provedor de emails — e te fazer pagar por isso.

Não tenha medo de unsubscribes. Trabalhe para ter uma lista saudável, onde o crescimento é maior que a saída e não se preocupe com aqueles usuários que saíram. Muitos deles realmente não renderiam novos negócios.

6. Não testar ideias e formatos

O dia a dia das startups deve ser baseado em testes. Se não acredita em mim, acredite no Zuckerberg, Bezos & Edison.

Se trouxermos isso para o marketing de conteúdo, você está errando em jogar seguro. O blog post de 500 palavras já é ultrapassado. A sua audiência não vai se tornar fiel se você fizer o feijão com arroz. E para saber qual é o melhor tempero é preciso testar.

There’s a loooot of things out there, Morty! Fonte: Econsultancy

Explore formatos. Faça um texto de 500 palavras durante 2 semanas, depois mude para 1.000. Depois para 2.000. Depois para 4k.

Varie o seu calendário, misture os posts, produza vídeos, teste materiais ricos, experimente frequências de postagens.

Create, post, measure, rinse & repeat.

7. Passar mais tempo produzindo do que promovendo

Você já deve estar familiarizado com o Princípio de Pareto. Ou 80/20. O clássico é que 80% das suas vendas vêm de 20% dos seus clientes. Ou que 80% dos seus resultados vêm de 20% dos seus esforços.

Quando falamos de conteúdo para startup, o que mais acontece é passar 80% do tempo produzindo e 20% divulgando. Sinto te informar, mas você deveria fazer o contrário.

Eu gosto muito desse estudo de caso da Optimist. Eles cresceram de 0 a 100 mil visitas em um ano com marketing de conteúdo.

BOOM! Fonte: Optimist

E se você pensou que eles passaram 20% do tempo produzindo conteúdo e 80% promovendo, acertou!

Conteúdo bom não se promove sozinho. Não é porque você criou um material fantástico que as pessoas vão aparecer como mágica para lê-lo.

8. Investir em marketing de conteúdo em uma startup early stage

Para fechar com chave de ouro (e um pouco de controvérsia) esse é um tema bem legal que ouvi na entrevista do Diego Gomes para o podcast Like a Boss.

Se você ainda está testando uma ideia e encontrando o seu mercado, não invista em marketing de conteúdo. Essa ideia é válida se você acabou de criar um SaaS e está colocando o seu MVP para jogo, ou recebeu seu primeiro investimento anjo e está começando a rodar as engrenagens.

Marketing de conteúdo é um jogo de longo prazo. O seu resultado não vai vir em 3 meses, mas sim em 9, 12, 18. E você não tem tanto tempo assim para testar uma ideia.

Invista nessa estratégia após encontrar o seu mercado, seu product/market fit, ter um produto que pode ser escalado, e depois de entender como você vai escalá-lo. É claro que existem exceções, mas antes das primeiras vendas, geralmente não é uma boa ideia subir um blog logo de cara. Até porquê você pode ter que pivotar no caminho e mudar totalmente o seu foco.

Agora que você já sacou como dar aquele boost no seu marketing de conteúdo. É hora de mandar bala!

Eu adoraria saber mais sobre as estratégias de conteúdo que você adota na sua startup. Não hesite em deixar um comentário aqui ou me dar um ping em @fcmazzeu no Twitter. 😉

Os melhores conteúdos de marketing, vendas e growth para startups

Direto no seu inbox, sem pegadinhas 😉
EU QUERO!
Coisas boas acontecem para quem se inscreve na minha lista ;)
Receba os melhores conteúdos sobre marketing, vendas e growth para startups
EU QUERO COISAS BOAS!
Você pode cancelar sua inscrição quando quiser.
Fechar

Os melhores conteúdos de marketing, vendas e growth para startups

Direto no seu inbox, sem pegadinhas ;)
EU QUERO!

Entrepreneur's gold ;)

Receba os melhores conteúdos de marketing, vendas e growth para startups.
ME ENVIE OS CONTEÚDOS!